NOVOS LOTES DE 6 MIL IMÓVEIS RECUPERADOS PELA CAIXA


Caixa deve oferecer novamente 6 mil imóveis recuperados ao mercado em 2019



 Caixa Econômica Federal (CEF) deve retomar a oferta no ano que vem de dois lotes de 6 mil imóveis recuperados e que já foram alvo de duas colocações, sem sucesso, junto ao mercado especializado em ativos estressados. As duas tranches de 3 mil imóveis cada estavam avaliadas em R$ 1,2 bilhão.

“Fizemos um primeiro teste que não atraiu o interesse dos investidores porque os imóveis estavam pulverizados e revisamos concentrando no sudeste, mas mesmo assim na segunda vez, também não houve interessados, o que nos levou a reavaliar as carteiras”, explicou Marcelo Prata, vice-presidene de logística da Caixa.



De acordo com ele, o banco está agora debruçado nessa análise para redução de valores, “a fim de termos carteiras mais atraentes, colocando também os imóveis mais atraentes em primeiro lugar”.

Desde agosto, o banco público já abriu duas vezes o processo formalmente em seu site, mas não atraiu propostas, apesar de os investidores estarem de olho no processo desde fevereiro. O problema, conforme apurou a Coluna do Broadcast, foi a exigência feita pela Caixa de que as propostas considerassem um desconto máximo de 30% sobre o valor de avaliação das duas carteiras feitas pela própria instituição, considerado baixo no cálculo dos investidores.

A Caixa tem mais de 40 mil imóveis recuperados após a execução de dívidas em todo o Brasil, entre casas, apartamentos, salas comerciais e terrenos, entre outros. Esse estoque supera o que a cidade de São Paulo tem, atualmente, de residências novas à venda, que somam 18 mil. 

Para investidores, um dos problemas na tentativa de venda por atacado foi a exigência feita pelo banco de que as propostas considerassem um desconto de 30% sobre o valor de avaliação das duas carteiras feitas pela Caixa. O desconto foi considerado baixo.

Os investidores também pedem que a instituição financeira separe as unidades disponíveis em regiões, valor ou tipologia. Nos dois pregões em que os imóveis foram oferecidos, em agosto, havia bloco de lotes com imóveis muito distintos. A instituição financeira não revelou quando irá retomar a vendas destas unidades.